Lameblogadas

sábado, setembro 21, 2002

"Drummonstro", como diria meu amigo Dunlop, bateu à minha porta e deixou um trechinho de poesia para mim nesta manhã fria.

(...)
Olha: o amor pulou o muro
o amor subiu na árvore
em tempo de se estrepar.
Pronto, o amor se estrepou.
Daqui estou vendo o sangue
que escorre do corpo andrógino.
Essa ferida, meu bem,
às vezes não sara nunca
às vezes sara amanhã.

Daqui estou vendo o amor
irritado, desapontado,
mas também vejo outras coisas:
vejo corpos, vejo almas
vejo beijos que se beijam
ouço mãos que conversam
e que viajam sem mapa.
Vejo muitas outras coisas
que não ouso compreender...

(O amor bate na aorta, Drummond)

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home