Lameblogadas

segunda-feira, abril 25, 2005



SONETO DO CORIFEU

São demais os perigos desta vida
Para que tem paixão, principalmente
Quando uma lua surge de repente
E se deixa no céu, como esquecida.

E se ao luar que atua desvairado
Vem se unir uma música qualquer
Aí então é preciso ter cuidado
Porque deve andar perto uma mulher.

Deve andar perto uma mulher que é feita
De música, luar e sentimento
E que a vida não quer, de tão perfeita.

Uma mulher que é como a própria Lua:
Tão linda que só espalha sofrimento
Tão cheia de pudor que vive nua


Vinícius de Moraes

Rio, 1956 (Da peça Orfeu da Conceição)

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home